ESTILO. Se existisse (leia bem, existisse!) alguma palavra no mundo que conseguisse definir Iris Apfel, seria estilo. Mas nem essa simples palavra, com 6 letras e muito peso e significado no mundo da moda, consegue. Iris é única, excêntrica, estilosa, arrojada… uma mulher a frente de muitos tempos. 

Não sei quantas vezes já vi (e revi) o documentário M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, sobre ela, disponível na Netflix. São, exatos, 79 minutos de lição de vida e estilo. No mínimo! Cercado por frases marcantes faladas por Iris, os icônicos óculos, invadindo seu riquíssimo acervo pessoal (ela é uma das maiores colecionadoras de bijuteria de alta costura do mundo!) e mostrando seu dia a dia, no auge de seus (mais ou menos) 92 anos, na época, e seu ponto de vista sobre sua própria vida, o documentário vale cada segundo. Quem ama moda não pode deixar de assistir.

“More is more & less is a bore”, ou em tradução livre, “Mais é mais & menos é chato”. – Iris Apfel

 

Ela foi a primeira mulher a usar calças jeans, quando a peça era, exclusivamente, feita para homens (what?!). Isso porque ela foi, por quase 5 semanas, insistentemente, à loja para convencer o comerciante a vender uma peça para ela. Ousada, não?!

 

MAS QUEM É IRIS APFEL, AFINAL?

Como ela mesmo gosta de se nomear: A AVE RARA DA MODA. Uma mulher que tinha tudo para ser comum, se não fosse o estilo pessoal. Ela conta no documentário que uma empresária da moda, de sucesso, disse a ela: “Você não é bonita, você nunca será bonita. Mas você tem algo muito melhor. Você tem estilo”. E o que parece é que Iris, além de não se abalar com o comentário, ainda fez questão de abusar do que ela “tinha” de sobra então. Parece que esse era o objetivo de vida dela.

A nova-iorquina do Queens sempre esteve inserida no mundo da moda e do design e, inclusive, conta que sua inspiração é sua mãe, que gostava muito de acessórios. Uma das frases mais marcantes pra mim, quando Iris fala sobre uma passagem de sua mãe  sobre o vestido preto e os acessórios. Isso me fez lembrar minha infância e tudo que vi e ouvi da minha mãe e avó (minhas inspirações na vida real!).

“Aprendi com a minha mãe que se você tiver um único vestido preto e os acessórios certos, você pode ter 50 vestidos diferentes”. – Iris Apfel

Iris foi bastante conhecida por seus trabalhos no ramo do design e, junto com seu marido Carl Apfel (que morreu aos 100 anos, em 2015) , montaram uma empresa de tapeçaria, que existiu até 1992. Juntos, viajaram o mundo todo em busca do tecido perfeito, com direito a muitos registros (pelas três câmeras que Carl carregava).  Assinaram projetos de várias celebridades e se consagraram ao atuarem na decoração da Casa Branca, várias vezes (acompanharam 09 presidentes!!!) , inclusive na gestão de JFK e, sua esposa, Jackie Kennedy.

 

A AVE RARA DA MODA

Em vários momentos do documentário Iris fala sobre seu estilo. Afinal, foi uma das poucas mulheres a ser reverenciada por seu estilo em uma exposição no Metropolitan Museum de Nova York, no auge de seus 84 anos, na época. A ideia inicial era de uma pequena mostra, com apenas 05 looks em uma pequena galeria. Mas o que os (mais ou menos) 150 mil visitantes viram, na verdade, foi uma exposição inteira, com cerca de 80 looks e muito estilo.

Iris é uma das poucas personalidades da moda que consegue misturar: uma camisa pintada a mão por Gianni Versace, com um casaco tribal garimpado em uma de suas viagens e acessórios de brechós de rua. Talvez esse seja, realmente, o significado de HI-LO, não?! 

Ela tem um olhar fora da curva para a moda. Uma amante de cores e misturas exóticas e brinca que os nova iorquinos “do centro” são mal vestidos (por só vestirem preto). Iris não se coloca na posição de julgadora, como ela diz, “this is not my business”, e defende que “é mais importante ser feliz, do que ser bem vestido”. E, critica a forma com que os novos estilistas estão trabalhando.

“Eles não costuram. Eles não armam. Eles só querem saber da mídia. (…) Eles não têm senso de história e nenhuma curiosidade sobre nada.”  – Iris Apfel

A moda, para Iris é um estilo de vida. Afinal, mesmo com todas as dificuldades da idade (ela tem 96 anos, gente!), como de se locomover, Iris continua viva, garimpando belezuras (e pechinchando – aliás, ela mostra que tem talento pra coisa!) e deixa claro que ainda tem muito a viver. E… sorte a nossa!

 


Se você gostou desse post ou tem alguma sugestão, manda pra mim aqui nos comentários! 🙂

Beijo, M. 

 

Mariane Borsatto

Jornalista de moda e a voz por trás da coluna #InventandoModa na rádio Jovem Pan (Três Rios). Aqui, no meu site, falo de tudo que me inspira: moda, estilo, viagens, lifestyle e, claro, tudo com uma pitada de primeira pessoa.

1 Comment

  1. Responder

    Gabriela

    24 de outubro de 2017

    Adorei! Já quero assistir ao docu.
    Bjs

LEAVE A COMMENT

RELATED POSTS